Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Eventos
  3. Tese de Doutoramento de docente da UBI apresentada em livro

Tese de Doutoramento de docente da UBI apresentada em livro

Apresentação no Anfiteatro 7.22, com início às 14h30.

  11 de dezembro de 2018  

“TRADIÇÃO, RAZÃO E MUDANÇA – Na encruzilhada entre liberalismo, conservadorismo e comunitarismo” é o título do livro de Samuel de Paiva Pires, docente do Departamento de Sociologia da Universidade da Beira Interior (UBI), a ser lançado publicamente esta terça-feira, dia 11 de dezembro, pelas 14h30, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da UBI (Anfiteatro 7.22).

Decorrente da Tese de Doutoramento do docente, a obra, dada à estampa pela editora Edições Esgotadas, será apresentada por Cristina Montalvão Sarmento e Ana Rodrigues Bidarra, autoras de um dos prefácios e do posfácio do livro.

A sessão na FCSH-UBI sucede à apresentação feita no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, no dia 5 de dezembro.

A iniciativa é de entrada livre.

Breve sinopse
Nesta obra considera-se a relação entre tradição, razão e mudança que marca a modernidade e diversas correntes da teoria política moderna e contemporânea. Esta relação é analisada à luz das ideias de autores liberais, conservadores e comunitaristas, procurando-se contribuir para evidenciar divergências e convergências entre estas teorias políticas. Desta forma, as noções de tradição, razão e mudança são abordadas colocando em diálogo as três teorias através de autores que consideramos serem representativos destas e que contribuíram significativamente para a temática em análise, nomeadamente, Friedrich Hayek, Karl Popper, Michael Polanyi e Edward Shils, no que ao liberalismo diz respeito; Edmund Burke, Michael Oakeshott e Roger Scruton, por parte do conservadorismo; e Alasdair MacIntyre, no que ao comunitarismo concerne. Procura-se realizar uma interpretação, uma síntese teórica, resultante da sistematização das ideias destes autores e demonstrar que tradição e razão, na concepção do racionalismo crítico ou evolucionista, não se opõem e que, na verdade, estão intrinsecamente ligadas, contrariando a tese do racionalismo construtivista de que a razão tem de rejeitar a tradição. (…)

Fonte: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

Data última atualização: 2018-11-28

Data da última atualização: 2018-11-28
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.