Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Cursos
  3. Cinema
  4. Teoria da Imagem

Teoria da Imagem

Código 13585
Ano 1
Semestre S2
Créditos ECTS 6
Carga Horária OT(15H)/TP(45H)
Área Científica Ciências da Comunicação
Tipo de ensino Teórico-prático.
Estágios Não tem.
Objectivos de Aprendizagem 1) Ser capaz de justificar a complexidade e a historicidade a noção de imago, na nossa cultura, e de estabelecer uma relação genealógica entre imagem e morte,
2) Ser capaz analisar uma imagem: de identificar e explicar os elementos morfológicos, dinâmicos e escalares da mesma e as suas respectivas funções;
3) Definir noções fundamentais no âmbito da Teoria da Imagem, v.g.,: imago, eikôn, eidôlon, simulacro, mimese, ius imaginum, repraesentatio, símbolo, sinal, escala icónica; iconoclasmo, inconodoulia, idolatria;
4) Ser capaz de emitir juízos críticos e fundamentados relativamente a processos histórico-culturais complexos como, por exemplo, processo de ocultamento da imagem pelo reino do visual, no sentido de R. Debray, H. Belting, et alii.
5) Ser capaz de explicar, de modo geral, o valor relativo que a imagem assume nas religiões pagãs, judaica, cristã e islâmica, e de identificar os modelos antropológicos subjacentes aos modelos teóricos de valorização negativa, positiva e crítica da imagem;
6) Ser capaz de identificar, comentar, explicar e criticar, a partir de textos, modelos teóricos de apreciação do figural: por exemplo, o modelo mimético de degradação ontológica.
7) Reconhecer e explicar o tipo de «ontologia da imagem» presente em textos, obras, movimentos e autores contemporâneos, por exemplo, E. Cassirer, G. Bachelard, T. Tzara, M. Duchamp, G. Durand, H.-G. Gadamer, ou em ‘textos’ fílmicos como F for Fake, de O. Welles, Matrix I, dos Wachowski Brothers, etc.;
Conteúdos programáticos «Ver é ter visto»
(Livro do Desassossego)


INTRODUÇÃO -- Em torno de uma impossível, mas inevitável, theoria da imagem. Do enigma da visão à magia da imagem. Para uma gramática mínima da Imagen.

1) IMAGEM, MORTE E DUPLO. Do mítico e ancestral desejo de figurar, e suas razões, no Paleolítico Superior, até ao recente aforismo mediático «quem não é visto não existe» (R. Debray, H. Belting).

2) O PARADIGMA DA DEGRADAÇÃO MIMÉTICA (PLATÃO). A mimêsis imaginal como degradação da Ideia (eîdos /idéa).

3) DA PROIBIÇÃO DAS IMAGENS AO «ANIMAL SIMBÓLICO». O desejo «idólatra» de ver tocar frente à proibição religiosa: «não farás imagens!» A relação problemática entre Imagens, Poder e Humor. O homem «animal symbolicum».

4) DA DECADÊNCIA (a cópia trai o original) À EXUBERÂNCIA (as imagens como acréscimo de ser). Das hermenêuticas redutoras e iconoclastas às instauradoras do Imaginal. Em demanda de uma diferente «ontologia da imagem» em H.-G. Gadamer.

CONCLUSÃO -- Simulacros, simulações e advento da hiperrealidade.
Bibliografia principal BELTING Hans, A Verdadeira Imagem. Entre a fé e a suspeita das imagens: cenários históricos, (trad. port. A. Morão), Porto, Edição Dafne Editora, 2011
BELTING Hans, Antropologia da Imagem. Para uma ciência da imagem, KKYM+EAUM, Lisboa, 2014
CASSIRER Ernst, Ensaio sobre o Homem, Lisboa, Guimarães Editores, 1995.
DEBRAY Régis, Vie et mort de l’image, Éditions Gallimard, Paris, 1992 (cap. I: «Nascimento [da imagem] pela morte»]
DURAND Gilbert, A Imaginação Simbólica, Lisboa, Edições 70, 1995
FRANCASTEL Pierre, A imagem, a visão e a imaginação: objecto fílmico e objecto plástico, Lisboa, Edições 70, 1998
GADAMER Hans-Georg, Verdad y metodo I. (trad. esp. de A. Aparicio y R. Agapito), Salamanca, Sígueme, 1993, [«O valor ontológico das imagens», pp. 182-222]
GARCIA FERNANDEZ E., et alii, Historia general de la imagen. Perspectivas de la comunicación audiovisual, Univ. Europea, CEES Ediciones, Madrid, 2000
LAMB Trevor D., «A fascinante evolução do olho», in: Sciam nº 10, 2012, pp. 28-33
MARTINE Joly, A imagem e a sua interpretação, Edições 70, Lisboa, 2002
PLATÃO, A República, Lisboa, FCG, 1987 (Livros VII e X)
VILLAFAÑE Justo, Introducción a la teoría de la imagen, Madrid, Pirámide, 1992
WITTGENSTEIN Ludwig, Investigações Filosóficas (trad. port. e pref. M.S. Lourenço), Lisboa, FCG, 1987
Língua Português
Data da última atualização: 2018-07-05
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.