FCS é a refundação da UBI

Faculdade   20 de dezembro de 2018

Desde que foi criada na UBI, a Faculdade de Ciências da Saúde (FCS) já formou mais de mil médicos. Na cerimónia que assinalou os 20 anos da sua criação, António Fidalgo disse que a Faculdade de Ciências da Saúde foi o refundar da própria universidade.

Img:

“A Faculdade de Ciências da Saúde é verdadeiramente a refundação da Universidade da Beira Interior e devemos essa refundação a tão poucos. Obviamente ao professor Miguel Castelo Branco, logo quando se começou, os professores Taborda Barata e Ignácio Verde que arrancaram do nada, ligaram-se às comissões e construíram aquilo que é, neste momento, uma das joias da UBI”. Uma cerimónia onde o reitor agradeceu a todos os que contribuíram para a criação da Faculdade de Ciências da Saúde que é hoje "o grande diferencial das instituições de ensino superior do interior."

Foi a 4 de Dezembro de 1998 que o Conselho de Ministros aprovou a Resolução que acolheu a proposta da UBI de fazer no Interior do País uma faculdade ligada à saúde, baseada em modelos inovadores de formação e de articulação com as unidades de prestação de cuidados de saúde. De acordo com Miguel Castelo-Branco, presidente da FCS-UBI e membro da Comissão de Instalação da Faculdade, “estes 20 anos vieram demonstrar que é possível fazer formação de profissionais de saúde de alta qualidade no Interior do país e, ao mesmo tempo, desenvolver investigação”. Essa formação teve, desde o início, o pressuposto de inovar, rompendo com os modelos tradicionais de transmissão de conhecimento, com uma aposta forte na componente de autoaprendizagem por parte dos estudantes.

O modelo pedagógico que esteve na base do projecto da UBI é considerado uma aposta ganha, não só para a FCS, mas também para o Governo da altura, que pretendeu acelerar o processo de renovação da formação médica em Portugal. “Foi conseguido e, depois, foi encaixado nas organizações mais antigas. Hoje em dia, essa mudança existe em todas as escolas de saúde”, sublinha o também docente e investigador da FCS. Segundo o presidente da Faculdade, o futuro passa por “continuar na linha da frente das metodologias pedagógicas inovadoras” e desenvolver “novas formas de formação em várias áreas, que envolvam diversos profissionais que, no futuro, terão de trabalhar em conjunto”. “E continuaremos a trabalhar em instrumentos adequados para o desenvolvimento de competências dos profissionais”, acrescenta.

in RCB

As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação que permitem a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.