Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Cursos
  3. Ciências da Cultura

Ciências da Cultura

1º Ciclo     Departamento de Comunicação e Artes

Plano de Estudos   Ciências da Cultura
Código DGES
9025  
Área CNAEF 312 | Portaria n.º 256/2005
Publicação em Diário da República Despacho n.º 4817/2014 - DR 2.ª série, n.º 66, 03 abril
Avaliação/Acreditação/Registo Acreditação A3ES
Registo DGES R/A-Cr 1/2013, 30-01-2013
Regime de Funcionamento Diurno
ECTS 180
Outras Informações Informação estatística

Concurso Nacional de Acesso  

Provas de Ingresso Uma das seguintes provas:
06 Filosofia
11 História
18 Português
Vagas 20 (2016)
Nota Mínima (0-200) Provas de ingresso: 95
Candidatura: 100
Nota do Último Colocado 121.4 (1st phase 2015)
Cálculo da Nota de Acesso Média do ensino secundário: 65%
Provas de ingresso: 35%
Mais informações para candidatos

Sobre

Objetivos Gerais O Curso de Ciências da Cultura, em sintonia com as recomendações do Memorando da UNESCO para a sua promoção, assume como objetivo primeiro e primordial criar valor e dar aos seus alunos uma sólida formação teórica interdisciplinar, articulando para o efeito áreas científicas diversas, com uma orientação precisa:integrar os indispensáveis saberes tradicionais com os desafios das novas humanidades. Acresce a esta formação teórica de base uma dimensão intencionalmente prática, de cariz projetual, orientada para a pluralidade das abordagens dos fenómenos culturais no contexto mais vasto das indústrias criativas. São três os vetores que, em coerência com estes objetivos, sustentam o seu plano de estudos: a Cultura tomada como objeto de reflexão, como estímulo criativo e como atividade social. Assim se justifica a presença de áreas nucleares como a filosofia, a história e a literatura, mas também a comunicação, o cinema, o design e a gestão, que conferem à formação uma irrecusável novidade
Competências Dada a riqueza temática do seu objeto de estudo, o Curso de Ciências da Cultura da Universidade da Beira Interior foi pensado e harmonizado segundo um princípio de precedência das unidades curriculares, pelo qual as disciplinas de primeiro ano, e ainda algumas do segundo, fornecem ao aluno bases históricas e culturais necessárias quer para concetualização quer para concretização projetual específicas de unidades do segundo e terceiro anos. Um tal leque temático, que justifica científica e pedagogicamente a articulação entre disciplinas, encontra também expressão na definição de percursos formativos opcionais, que se consubstanciam em conjuntos de unidades curriculares facultativas (três de entre doze possíveis) que completam o percurso de disciplinas obrigatórias – a começar no 1º semestre do 2º ano e em cada um dos dois semestres subsequentes –, e ainda, de forma concreta e precisa, na unidade curricular de Projeto, no último semestre do percurso formativo dos alunos, na qual o aluno poderá dar corpo a uma ideia de intervenção cultural, beneficiando das parcerias e protocolos estabelecidos com instituições culturais da região. A entrega de parte do percurso formativo à escolha responsável de cada aluno, garantida a montante pela solidez científica e pedagógica do trajeto nuclear, representa a opção de um processo de ensino-aprendizagem centrado no aluno e é, outrossim, um estímulo e um incentivo à sua autonomização, à prossecução de estudos e à qualificação continuada e autónoma ao longo da vida. Donde, e à luz dos seus objetivos aqui sumariamente elencados, o Curso de Ciências da Cultura faculta um amplo conjunto de competências, habilitando os seus alunos para: reconhecer o caráter histórico e polissémico da ideia de homo cultus e identificar noções e práticas culturais diversificadas; fundamentar teoricamente e refletir criticamente sobre as noções de ‘Cultura’ e ‘Ciência da Cultura’ e os respetivos fenómenos, considerando a complexidade dos seus processos, a pluralidade dos seus contextos e a especificidade dos seus valores; conceber criativamente, analisar criteriosamente e justificar adequadamente projetos de investigação, de criação, de programação e de difusão cultural; empreender, organizar, dinamizar, liderar e intervir em iniciativas culturais, integrando equipas multidisciplinares e agindo em rede, com elevada versatilidade conceptual e operacional; dominar os vários meios e técnicas de expressão – oral, escrita, audiovisual, multimédia – e utilizá-los em projetos social, económica e criativamente relevantes.
Saídas Profissionais Procurando responder ao desafio permanente colocado pela mutação e novidade próprias da atividade cultural contemporânea com o rigor epistemológico dos saberes canónicos, o Curso de Ciências da Cultura da UBI, dada ainda a sua sólida matriz multidisciplinar, acerca âmbitos formativos tradicionalmente distantes mas que hoje reciprocamente se solicitam, forma profissionais com um amplo domínio de competências interdisciplinares e saberes especializados. O esperado enriquecimento cultural e académico que sobrevém na mobilidade dos novos licenciados e na sua capacidade para empreender habilita-os para o exercício dos seguintes tipos de atividades:
. Produção, gestão cultural e assessoria em projetos ou instituições, públicos e privados, de relevância cultural;
. Produção e difusão de eventos culturais;
. Gestão de bens e serviços culturais;
. Discussão, promoção e aplicação de políticas culturais consistentes e inovadoras;
. Criação e investigação cultural;
. Turismo cultural;
. Crítica de arte e jornalismo cultural.
Infraestruturas A Faculdade de Artes e Letras (FAL), onde se insere o Curso de Ciências da Cultura da Universidade da Beira Interior, oferece aos seus alunos um extenso leque de equipamentos e outros recursos materiais: salas climatizadas e totalmente apetrechadas com material de apoio às atividades de ensino-aprendizagem, como quadros interativos, sistema de videoconferência, projetores de vídeo, entre outros, um Centro de Informática (com acesso gratuito à Internet - telnet, correio eletrónico e www). A Formação tem ainda à sua disposição os recursos do Instituto de Filosofia Prática (IFP) e do Laboratório de Comunicação e Conteúdos Online (LabCom). Os alunos contam ainda com uma Biblioteca central, com um acervo de milhares de volumes respeitantes às diferentes áreas científicas reunidas pela formação.
Normas e Regulamentos Regulamentação UBI

Departamento de Comunicação e Artes

Rua Marquês D'Ávila e Bolama
6201-001 Covilhã
275 242 024

Responsáveis

Diretor/a de Curso
Gabriel Augusto Coelho Magalhães
Coordenador de Mobilidade
Gabriel Augusto Coelho Magalhães

Comissões

Comissão Científica
Gabriel Augusto Coelho Magalhães
Urbano Mestre Sidoncha
Carla Sofia Luís
José Maria da Silva Rosa
Alexandre António da Costa Luis
Luis Carlos da Costa Nogueira
Catarina Isabel Grácio de Moura

Comissão de Coordenação Pedagógica
Gabriel Augusto Coelho Magalhães
Coordenadores Ano
Paulo José Tente da Rocha Santos Osório (1º)
Catarina Isabel Grácio de Moura (2º)
Urbano Mestre Sidoncha (3º)
Delegados Ano
Diana Lurdes Lourenço Guerra (1º)
Cláudia Fael Farias (2º)
Cíntia Daniela Pereira Ferreira (3º)

Comissão de Creditação
Gabriel Augusto Coelho Magalhães
Urbano Mestre Sidoncha
Carla Sofia Luís
Catarina Isabel Grácio de Moura
Nota: A informação contida nesta página não dispensa a consulta dos documentos oficiais. Data da última atualização: 2014-08-07
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.