Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Cursos
  3. Filosofia
  4. Teoria da Imagem

Teoria da Imagem

Código 9792
Ano 3
Semestre S2
Créditos ECTS 6
Carga Horária OT(15H)/TP(45H)
Área Científica Ciências da Comunicação
Pré-requisitos Não tem.
Tipo de ensino Ensino presencial teórico-prático.
Estágios Não tem.
Objetivos Gerais e Resultados de Aprendizagem O objectivo geral desta UC é introduzir os alunos no "mundo da imagem": sua natureza, definições, elementos constituintes, sua origem e valor em diferentes religiões e sistemas filosóficos, ao longo da história. No final desta UC o alunos deve ser capaz de:
1) aplicar plasticamente ( esquisso, desenho, pintura, aguarela, fotografia, vídeo, …) noções abstractas, v.g., "mimese".
2) se organizar em grupo (tarefas, tempo, animação, registo e comunicação de resultados) em função de um dado objectivo.
3) apresentar oralmente, perante a turma, com ou sem suporte audiovisual, os
resultados de uma pequena investigação individual.
5) emitir juízos críticos e fundamentados relativamente a processos histórico-culturais complexos como, por exemplo, processo de ocultamento da imagem pelo visual (Debray)
4) escrever um texto duas páginas, em sede de avaliação sumativa, sobre um dos tópicos do Programa.
Conteúdos / Programa INTRODUÇÃO. Sobre a possibilidade de uma Teoria da Imagem.

1. A imagem, a morte e o duplo. IMAGEM, A MORTE E O DUPLO. Relação entre consciência da morte e nascimento da imagem. "Imagem": um desejo de eternização?

2) O paradigma platónico e aristotélico. A mimêsis como degradação da "Ideia" e pegadogia da imaginação pela "anamnêsis". A ‘alegoria da Caverna' e a tese aristotélica de que “imitar é congénito no homem” (Poética, 1448 a).

3) O retorno da imaginação simbólico. Hermenêuticas iconoclastas e hermenêuticas inconófilas. Demanda de uma diferente Ontologia da Imagem. O surgimento da Fotografia e do Cinema.

4) A ‘Teoria da Imagem’ de J. Villafañe: Fenómenos perceptivos e ‘Gestalt Psychology’. Morfologia, dinâmica e escala de uma imagem.

CONCLUSÃO -- J. Baudrillard: simulacros, simulações e advento da ‘hiperrealidade’.
Bibliografia / Fontes de Informação ACKERMAN Diane, Uma História Natural dos Sentidos, Lisboa, Temas & Debates, 1998
BAUDRILLARD Jean, Simulacros e Simulação, Lisboa, Relógio D’Água, 1991;
DEBRAY Régis, Vie et mort de l’image, Éditions Gallimard, Paris, 1992
DURAND Gilbert, A Imaginação Simbólica, Lisboa, Edições 70, 1995;
CASSIRER Ernst, Ensaio sobre o Homem, Lisboa, Guimarães Editores, 1995;
FRANCASTEL Pierre, A imagem, a visão e a imaginação: objecto fílmico e objecto plástico, Lisboa, Edições 70, 1998;
GADAMER Hans-Georg, Verdad y metodo I. , Salamanca, Sígueme, 1993, [«O valor ontológico das imagens», pp. 182-222];
LAVAUD Laurent, L'image, Paris, Flammarion, 1999;
MORIN Edgar, O Cinema ou o Homem Imaginário, Lisboa, Relógio D’Água, 1997 [pp. 13-48];
PLATÃO, A República, Lisboa, FCG, 1987
ROSA José Maria Silva, “A conversão da Imaginação nas Confissões de Santo Agostinho”
(http://www.lusosofia.net);
VILLAFAÑE Justo, Introducción a la teoría de la imagen, Madrid, Pirámide, 1992;
Actividades de Ensino-Aprendizagem e Metodologias Pedagógicas Tendo em conta o carácter reflexivo da disciplina, haverá aulas teórico de introdução e apresentação dos temas, e teórico-práticas de leitura, de comentário, de análise e de debate conjunto de textos (indicados e/ou fornecidos, que serão ser previamente estudados pelos alunos). Procurar-se-á ‘ilustrar’ o mais possível os temas com imagens alusivas ao que se teoriza, nomeadamente visualizando 3 filmes. Haverá também trabalho prático em torno da feitura de uma imagem a partir de um conceito dado.
Língua Português

Curso

Filosofia
Data da última atualização: 2014-08-07
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.