Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Cursos
  3. Economia

Economia

1º Ciclo     Departamento de Gestão e Economia

Plano de Estudos/Ramos   Economia
Código DGES
9081  
Área CNAEF 314 | Portaria n.º 256/2005
Publicação em Diário da República Despacho n.º 8985/2016 - DR 2.ª série, n.º 133, 13 julho
Avaliação/Acreditação/Registo Acreditação A3ES
Registo DGES R/A-Ef 1307/2011, 18-03-2011
Regime de Funcionamento Diurno
ECTS 180
Outras Informações Informação estatística

Concurso Nacional de Acesso  

Provas de Ingresso

Um dos seguintes conjuntos:
19 Matemática A;
ou
04 Economia;
19 Matemática A;
ou
19 Matemática A;
18 Português.

Vagas 45 (2017)
Nota Mínima (0-200) Provas de ingresso: 95
Candidatura: 100
Nota do Último Colocado 129,9
Cálculo da Nota de Acesso Média do ensino secundário: 65%
Provas de ingresso: 35%
Mais informações para candidatos

Sobre

Objetivos Gerais Os objectivos do curso respondem às exigências estabelecidas pelo artigo 5º do decreto-lei n.º 74/2006 de 24 de Março e visam assegurar aos licenciados em Economia da UBI condições de formação e integração profissional idênticas às dos seus pares de escolas nacionais e europeias de referência na área de formação de economia.

O curso tem como objectivo geral o desenvolvimento das capacidades de aprendizagem, de análise, de aplicação, de avaliação e transferibilidade de conhecimentos (utilizando os conceitos, teorias, técnicas e métodos de resolução e de análise nas diversas áreas da ciência económica- Economia Financeira e Monetária, Economia do Crescimento, Economia Industrial, Economia e Finanças Publicas, Economia Internacional,Contabilidade Financeira,...) para a resolução de problemas económicos concretos em novos contextos, servindo de pilar fundamental na formação profissional da pessoa ao longo da sua vida activa.



Competências Um aspecto central no Processo de Bolonha é o da mudança de paradigma de ensino. O processo preconiza a passagem de um modelo passivo, baseado na aquisição de conhecimentos, para um modelo baseado no desenvolvimento de competências. As competências que os estudantes deverão evidenciar após a conclusão da licenciatura, agrupam-se nos domínios de conhecimento e compreensão, intelectuais, práticas e transferibilidade.

Como competências genéricas enunciam-se as seguintes:

Conhecimento e Compreensão:
A – Compreende a organização do processo económico e dos mercados, a sua finalidade, a sua estrutura, as condições de funcionamento e a sua dinâmica;
B – Compreende o perfil dos diferentes agentes, consumidores, produtores, empresas, Estado e outras instituições na determinação do seu desempenho económico nos diferentes níveis de análise: micro-económico, macroeconómico, sectorial, espacial e temporal;
C – Identifica fontes, recolhe e selecciona informação relevante para a análise económica: primária, publicada disponível, sectorial, regional, nacional e internacional;
D – Compreende instrumentos de análise quantitativa para converter essa informação em conhecimento adequado ao estudo de problemas da economia real;
E – Compreende os objectivos, ideias, conceitos, estruturas, âmbitos de análise, métodos e técnicas veiculados na literatura económica teórica e empírica utilizada no processo de aprendizagem;
F – Interpreta, para potencial utilização, resultados publicados nas mais diversas fontes de produção científica e institucional na área de economia (artigos, relatórios, estudos, legislação, etc.);

Intelectuais
G – Revela poder de abstracção e de sistematização na identificação e delimitação de aspectos centrais de um problema económico;
H – Compara e avalia teorias, métodos e modelos alternativos no tratamento de problemas económicos;
I – Organiza recolha de publicações que reflictam o estado da arte para o estudo de problemas económicos específicos;
J – Estrutura quadros de avaliação dos impactes da política económica e de factores exógenos;
L – Analisa canais de transmissão dos efeitos de variáveis económicas e as suas relações de interdependência;
M – Relaciona princípios de teoria económica com a formulação da política económica;

Práticas
O – Pesquisa recursos on-line e em centros de documentação adequados à abordagem de problemas da realidade económica e social e à formulação de problemáticas de investigação teórica e empírica;
P – Colecta e organiza dados económicos, financeiros, sociais e outros, operacionaliza-os e converte-os em informação para a análise económica, avaliação e suporte à tomada de decisão com recurso a ferramentas informáticas de base estatística, econométrica e outras;
Q – Demonstra capacidades de concepção, organização, execução de trabalhos empíricos, recorrendo ao uso de métodos e técnicas apropriadas;
R – Revela capacidade de selecção e utilização de técnicas quantitativas e proficiência na análise numérica, gráfica e diagramática de questões económicas adequadas ao seu nível de formação;
S – Demonstra competências de comunicação oral e escrita, apresentação de conteúdos, redacção de trabalhos e relatórios;
T – Elabora e analisa estudos de viabilidade e de desempenho económico-financeiro de empresas, elabora e analisa relatórios e mapas de demonstrações contabilístico-financeiras de empresas, analisa relatórios económicos de organismos nacionais e internacionais e estudos económicos de natureza teórica, empírica e de politica económica;
U – Aplica técnicas de medida e de avaliação de desempenho económico, nomeadamente, nível de actividade económica, crescimento do produto e preços, flutuações cíclicas, processos de mutação estrutural e de impacte de políticas e choques ao nível macro e microeconómico, sectorial e espacial;

Transferibilidade
V – Aplica conceitos e instrumentos de análise económica na abordagem de novos factos e em contextos diferentes;
Y – Demonstra proficiência na comunicação de ideias, conceitos, metodologias e resultados da análise económica e no uso de tecnologias de suporte, bem como capacidade de adequação dos conteúdos e do processo de comunicação à especificidade dos seus fins, público e contexto.
Saídas Profissionais A formação em Economia confere aos seus graduados a opção por uma actividade profissional de entre uma significativa diversidade de percursos profissionais, em organismos públicos e privados, empresas industriais, empresas financeiras, empresas de serviços, profissionais independentes e constituição pelo ex-aluno da sua própria empresa nas mais variadas actividades. Enunciam-se como percursos e empregadores potenciais:
• Quadros superiores de organismos da administração pública central (direcções gerais, departamentos de planeamento e de prospectiva, financeiros, estatísticos, administrativos e outros) e local (departamentos administrativos, financeiros e técnicos de Câmaras Municipais e Serviços Municipalizados).
• Quadros superiores de organismos da União Europeia e outros organismos internacionais.
• Quadros superiores de associações empresariais e profissionais
• Quadros superiores de Bancos, Sociedades de Investimento, Seguradoras, Sociedades Correctoras e Sociedades Financeiras de Corretagem e outras sociedades de intermediação financeira.
• Quadros superiores de empresas industriais nas suas várias unidades funcionais (departamento comercial e de aprovisionamento, administrativo e financeiro, marketing,…)
• Quadros superiores de empresas de serviços (distribuição, consultoria e auditoria,…)
• Quadros superiores na área do ensino.
• Profissional independente nas áreas de consultoria financeira, contabilística, fiscal, entre outras.
• Constituição da própria empresa no sector da indústria ou serviços.
Infraestruturas Como estruturas de apoio, os alunos do curso de 1º ciclo de Economia dispõem, entre outras, de:
Biblioteca Central da UBI (200 postos de trabalho informático, aberta das 9 às 23 horas);
Biblioteca e recursos on-line (entre outros, B-on disponibiliza e-books e periódicos com acesso a resumos e a texto integral, acesso a bases de dados e estatísticas do INE);
Biblioteca da Unidade de Ciências Sociais e Humanas, Pólo IV (Ernesto Cruz - 2ª a 6ª feira - das 9h00 às 20h00; Sábado - das 10h00 às 13h30);
Centro de Documentação Europeia (Biblioteca Central);
Centros Informáticos (dois centros; um dos quais aberto 24 horas);
e-UBI (plataforma e-Learning: disponibiliza conteúdos digitais e assegura a interacção docente-aluno e aluno-aluno 24 horas x 365 dias);
Serviços digitais: rede (por cabo e wireless, interna e externa) e acesso permanente à Internet (com correio electrónico, telnet e www)
Normas e Regulamentos Regulamentação UBI

Departamento de Gestão e Economia

Estrada do Sineiro, s/n
6200-209 Covilhã
275 329 164
4020

Responsáveis

Diretor/a de Curso
Pedro Cunha Neves
Coordenador de Mobilidade
João Carlos Correia Leitão

Comissões

Comissão Científica
Pedro Cunha Neves
António Manuel Cardoso Marques
António de Jesus Fernandes de Matos
José Alberto Serra Ferreira Rodrigues Fuinhas
Francisco José Peixeiro Antunes
Sandra Cristina de Pinto Vaz

Comissão de Coordenação Pedagógica
Coordenadores Ano
António de Jesus Fernandes de Matos (1º)
José Alberto Serra Ferreira Rodrigues Fuinhas (2º)
António Manuel Cardoso Marques (3º)
Delegados Ano
Alexandre Pinho Luz (1º)
André Emanuel dos Santos Madeira (2º)
Sofia Moura da Costa (3º)

Comissão de Creditação
Pedo Cunha Neves
João Carlos Correia Leitão
António Manuel Cardoso Marques
António Jesus Fernandes de Matos
Nota: A informação contida nesta página não dispensa a consulta dos documentos oficiais. Data da última atualização: 2014-08-07
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.