Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Cursos
  3. Design Industrial

Design Industrial

2º Ciclo     Departamento de Engenharia Eletromecânica

Plano de Estudos/Ramos   Design Industrial

Regime Geral de Acesso  

Requisitos de Admissão

As condições de acesso são as estabelecidas para os restantes cursos de Mestrado da Universidade.
Podem candidatar-se ao acesso ao 2.º ciclo em Design industrial Tecnológico:
a) O acesso é feito ao 2.º ciclo, por titulares de licenciatura, ou equivalente. Neste caso serão considerados os candidatos que tenham completado no mínimo 180 créditos ECTS em licenciatura ou mestrado integrado afim oriundos de diferentes qualificações do primeiro ciclo de estudos universitários, com destaque para o design e a engenharia, sem descurar outras áreas com alguma proximidade às temáticas nele abordadas como por exemplo a arquitectura ou a informática;
b) Titulares do grau de licenciado, ou equivalente legal, em especialidades consideradas adequadas à frequência de um curso de 2.º ciclo em Design Industrial Tecnológico. O reconhecimento da pertinência da adequação compete ao Conselho Científico da Universidade;
c) Titulares de um grau académico superior estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objectivos do grau de licenciado pelo Conselho Científico da Universidade, bem como considerado adequado à frequência de um 2.º ciclo em Design Industrial Tecnológico;
d) Detentores de um currículo escolar, científico ou profissional, que seja reconhecido como atestando capacidade para realização deste ciclo de estudos pelo Conselho Científico da Universidade da Beira Interior.

Vagas 20 (2017)
Critérios de Seleção e Seriação Design Industrial 2017
Mais informações para candidatos

Sobre

Objetivos Gerais Os objetivos educativos que orientam a formulação do 2º ciclo em Design Industrial ( visa complementar competências de licenciados em Design e áreas afins) são:
Formar especialistas em Design Industrial com foco em projeto;
Desenvolver conhecimentos multidisciplinares, coordenando várias áreas fundamentais à construção de projeto, da investigação à definição de conceito, do desenho à modelação e maquetagem, da pós-produção à apresentação.
Desenvolver competências práticas ao projeto de produtos industriais contemporâneos pensados para as pessoas, obedecendo a requisitos de sustentabilidade;
Desenvolvimento de aptidões para trabalho em equipa incluindo comunicação e coordenação de equipas multidisciplinares de desenvolvimento do produto;
Dotação de suporte teórico, cultura de design contemporâneo e competências fundamentais à área.
Estabelecer um forte relacionamento entre design e tecnologia, na produção e no resultado;
Estabelecer uma ligação real ao mercado.
Competências Capacidade de:

Investigação:
Análise do contexto e de produtos reais de design contemporâneo, suas implicações sociais, materiais, emocionais e outras.
Conhecimento e compreensão da área de trabalho e compreensão da profissão de designer industrial, das suas implicações sociais e de sustentabilidade.
Selecionar a metodologia de investigação adequada.
Pesquisar, processar e analisar informação a partir de múltiplas fontes;
Escolher a abordagem e técnica de investigação adequada a situações particulares de conceção ou reflexão.

Planeamento:
Estabelecer e completar um programa operativo constituído por diferentes etapas.
Demonstrar que sabe gerir um projeto de Design longo e complexo e a utilização orientada ao projeto de ferramentas.
Habilidade de: conceber e gerir projetos, interagir com outrem de modo construtivo, tomar a iniciativa e promover o espírito empreendedor e a curiosidade intelectual, avaliar e manter a qualidade do trabalho produzido.

Desenvolvimento de conceitos:
Projetar com base nos conhecimentos adquiridos.
Interpretar os objetivos e questões propostas e materializar sob a forma de um produto as respostas às questões.
Trabalhar autonomamente, identificar, colocar e solucionar problemas; aplicar conhecimento a situações práticas, tomar decisões adequadas, desenvolver investigação e trabalhar em equipa.

Representação:
Competências de representação de conceitos, desenho e maquetagem.

Decisão técnica:
Capacidade de julgar implicações de produção, materiais e estruturais.
Capacidade de tomar decisões tendo em conta os constrangimentos naturais ao desenvolvimento de um projeto.
Capacidade de recorrer a técnicas computacionais de simulação do comportamento estático, dinâmico, térmico e aerodinâmico de objetos isolados e estruturas.
Conjugar diferentes materiais e tecnologias no desenvolvimento da peça, tirando partido das características que diferentes materiais especificam.

Prototipagem:
Demonstrar uma visão alargada das técnicas de prototipagem manual, computorizada e das tecnologias de fabrico.
Desenvolver o sentido crítico através da aplicação em protótipo dos conceitos.

Modelação:
Capacidade de modelação digital de produtos simples e complexos.
Mostrar a relação direta entre CAD e o fabrico assistido por computador (CAM).
Realizar a maquinação real de objetos de carácter bi e tridimensional.

Comunicação:
Capacidade de apresentar, pós-produzir e demonstrar conceito de suporte de um projecto.
Habilidade de pensamento abstrato e analítico, síntese de ideias, comunicar informação, interagir construtivamente com outros independentemente do seu perfil de formação e da sua cultura e respeito pela diversidade.

Outros:
Contacto com indústria real.
Compromisso com as tarefas e as responsabilidades.
Habilidade de adaptação a novas situações e pressão; responsabilidade social e consciência cívica e trabalhar num contexto internacional.
Saídas Profissionais Os especialistas em design industrial, qualificados pelo Mestrado em Design Industrial, poderão desenvolver a sua atividade integrados em empresas industriais, em gabinetes de design ou em empresas de consultadoria; ainda como free-lancers, no ensino, crítica, teoria e investigação. As capacidades desenvolvidas pelos alunos ao longo do Mestrado em Design Industrial, permitirão aos graduados desenvolver todos os passos fundamentais à execução de um projeto, conceber ou delinear produtos industriais de forma a dotá-los de funcionalidade e a qualificá-los para a relação com o homem, o ambiente e a sociedade, utilizando recursos conceptuais simples a tecnologias e ferramentas avançadas e complexas.
Os potenciais empregadores destes profissionais incluem:
- Empresas industriais nos ramos de bens de consumo de alta e baixa complexidade, embalagens, cerâmica, indústria vidreira, de equipamento de apoio à prática desportiva, eletrodomésticos, mobiliário, de equipamentos urbano, sanitário, de cozinha, de equipamentos na indústria de transportes (automóvel, ferroviária, aeronáutica), de brinquedos, moldes e eletrónica de consumo;
- Gabinetes de design, empresas de consultadoria e assessoria técnica.
- Instituições de ensino, de investigação e publicações da área.
Infraestruturas A UBI dispõe dos recursos materiais indispensáveis para garantir o nível e a qualidade da formação proposta, designadamente espaços letivos dedicados em exclusivo ao curso, disponíveis 12 horas diárias, equipamentos, biblioteca, laboratórios de maquetagem e prototipagem adequados, manuais e digitais. No que diz respeito aos laboratórios implicados na efetivação deste ciclo de estudos, o curso é apoiado pela estrutura de Laboratórios do Departamento de Engenharia Eletromecânica.
Neste conjunto de laboratórios e ateliers incluem-se: Laboratório de Mecânica dos Materiais, Laboratório de Materiais, Laboratório de Termodinâmica e Transmissão de Calor e Energia, Atelier de Design Gráfico, Laboratório de Design do Produto e Prototipagem, Oficina de madeiras, oficina de metais e oficina de materiais compósitos e ainda Laboratório de Materiais. A UBI está dotada das instalações e dos equipamentos que lhe permitem desempenhar, de um modo eficiente, a missão que lhe está cometida.
Normas e Regulamentos Regulamentação UBI
Regulamento ao grau de Mestre Interno

Departamento de Engenharia Eletromecânica

Calçada Fonte do Lameiro
6201-001 Covilhã
275 242 055
1811

Responsáveis

Sem Fotografia
Diretor/a de Curso
Afonso Nuno Ramalho de Pinho Borges
Coordenador de Mobilidade
Helder Joaquim Dinis Correia

Comissões

Comissão Científica
Afonso Nuno Ramalho de Pinho Borges
Abílio Manuel Pereira da Silva
Catarina Isabel Grácio de Moura
José Manuel Andrade Nunes Vicente
Sara Velez Estevão
João Manuel Milheiro Caldas Paiva Monteiro
Paulo Nobre Balbis dos Reis
Helder Joaquim Dinis Correia

Comissão de Coordenação Pedagógica
Coordenadores Ano
Afonso Nuno Ramalho de Pinho Borges(1º)
Abílio Manuel Pereira da Silva (2º)
Delegados Ano
Ana Sofia da Silva Azevedo (1º)
Ana Teresa Filipe Simões (2º)

Comissão de Creditação
Afonso Nuno Ramalho de Pinho Borges
Helder Joaquim Dinis Correia
Abílio Manuel Pereira da Silva
Catarina Isabel Grácio de Moura
Nota: A informação contida nesta página não dispensa a consulta dos documentos oficiais. Data da última atualização: 2016-06-16
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.