Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Cursos
  3. Ciências da Cultura
  4. Indústrias Culturais e Criativas

Indústrias Culturais e Criativas

Código 10952
Ano 2
Semestre S1
Créditos ECTS 6
Carga Horária OT(15H)/TP(45H)
Área Científica Cultura
Tipo de ensino Ensino teórico-prático.
Estágios Não se aplica.
Objectivos de Aprendizagem Objetivos
a) compreender a comunicação como fenómeno estruturante das sociedades (conceito de mediação)
b) compreender o conceito de cultura as suas diversas significações.
c) analisar e identificar as relações entre comunicação mediática e cultura;
d) identificar as transformações verificadas com a aparição das modernas indústrias culturais e criativas e das novas tecnologias.
e) identificar os modos de interação social associados às indústrias culturais e criativas e as novas tecnologias: público, massa e multidão
g) avaliar o impacto da cultura na autonomia e subjetividade individual
f) analisar o impacto da globalização na cultura.

Conteúdos programáticos Introdução
1. A Introdução
1. A importância da comunicação em sociedade.
2. A definição de cultura.
2.1 Cultura em sentido antropológico
2.2. Cultura em sentido humanístico
3. Reprodutibilidade técnica e Indústria cultural.
3.1. Indústrias culturais e indústrias criativas: definição
3.2. Os meios digitais e a transformação da experiência cultural
3.3. O que é criatividade? A diferença entre trabalho criativo e trabalho “alienado”.
3.4. Alterações na produção e na receção dos produtos comunicativos
3.4.1. Novas formas de trabalho e organização empresarial
3.4.1. Autonomia e subjetividade na era digital

Metodologias de Ensino e Critérios de Avaliação Métodos e critérios de avaliação
Os alunos serão avaliados por duas frequências com um valor de 50% cada. Uma das frequências consistirá num trabalho individual escrito, com 6 a 8 páginas de extensão, que será apresentado oralmente.
80% de assistência às aulas efetivamente dadas é obrigatória para obter atendimento (acesso ao Exame).
7 é a média mínima obrigatória para obter Frequência e Acesso a Exame

A presença obrigatória não é aplicada a estudantes-trabalhadores.

Evaluation methods and criteria


Students will be evaluated for two frequencies with a value of 50% each. One of the tests will be an individual work with the same weighting with four to eight pages and oral presentation.

80 % Class attendance is mandatory to obtain attendance (access to the Exam).
A minimum average grade of seven is compulsory to obtain access to the final examination

The compulsory attendance is not applied to student-workers.
Bibliografia principal Adorno, Theodor, A Industria Cultural, in Gabriel Cohn, Comunicação e Indústria Cultural, São Paulo, TA Queiroz, 1987, pp. 287-295.

Adorno, Theodor e Max Horkheimer, O iluminismo como mistificação das massas. In Jorge B. M. de Almeida, Indústria Cultural e Sociedade, Edição Paz e Terra, 2002 pp. 5-44

Antunes, Manuel, Cultura in Volume IV: História da Cultura, Lisboa: Fundação Gulbenkian, 2007

Atzeni, Maurizio, Workers and Labour in a Globalised Capitalism, PALGRAVE MACMILLAN, 2014

Benjamin, Walter, «A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica» in Walter Benjamin, Magia, Técnica, Arte e Politica, São Paulo, Brasiliense, 1987, pp. 165-196..

Caune, Jean , As relações entre cultura e comunicação: núcleo epistêmico e forma simbólica, in Líbero- Ano XI - no 22 - Dez 2008

Correia, João Carlos, Comunicação e Cidadania: Os media e a fragmentação do espaço publico nas sociedades pluralistas, Lisboa, 2004. 5 - 23

Correia, João Carlos, «Mass, public and multitudes: digital activism and some of its paradoxes » in Eduardo Cintra Torres e Samuel Mateus, From Multitude to Crowds: collective action and the media, Peter Lang, 2015, pp. 37-51.



Gomes, Wilson, «Esfera publica política e comunicação em Transformação estrutural da esfera pública “ in Wilson Gomes e Rousiley Maia, Comunicação e Democracia, São Paulo, Paulos editora, 2008. Pp. 32-52

Hesmondhalgh, David and Sarah Baker, Creative Labour , Media work in three cultural industries, 2011, Routledge?

Lovink, Geert and Ned Rossiter, MyCreativity Reader A Critique of Creative industries. Institute of Network Cultures, Amsterdam 2007

Lull, James, Culture in the communication ageRoutledge, 2001.

Taylor, Paul A. and Jane Li. Harris (2008), Critical theories of Mass media: them and now. McGraw Hill, Open University Press.

Vernal, Javier Inazio, Arnold Gehlen, Reflexões sobre Ser Humano. in INTERthesis, Florianópolis, v.6, n.1, p. 74-89, jan./jul. 2009




Língua Português
Data da última atualização: 2014-08-07
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.