Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Cursos
  3. Ciência Política e Relações Internacionais
  4. Pensamento Político Antigo e Medieval

Pensamento Político Antigo e Medieval

Código 12263
Ano 3
Semestre S1
Créditos ECTS 6
Carga Horária OT(15H)/TP(45H)
Área Científica Ciência Política
Tipo de ensino Teórico-prático com observação tutorial.
Estágios Não aplicável
Objectivos de Aprendizagem Objectivos
1. Compreender o carácter originário e o alcance estruturante da experiência política, nos múltiplos contextos e dimensões humanas em que esta se repercute
2. Assimilar as concepções teóricas que subjazem ao pensamento político antigo e medieval, bem como as respectivas repercussões históricas na modelação da cultura ocidental
3. Induzir a urgência ética de uma cidadania participativa, em vista do compromisso individual na vida cívica, social e política

Resultados da aprendizagem
Competências específicas
Revelar conhecimento e compreensão de instrumentos conceptuais e analíticos básicos das clássicas teorizações politológicas antigas e medievais, com incidência na filosofia política e na história das ideias e da cultura
Conteúdos programáticos 1. As origens pré-clássicas do poder político: as intuições originárias de nomos e demos em Sólon
2. O fundamento ético do poder de governar na antiguidade: as noções de polis e koinonia em Platão e Aristóteles
3. A ordenação transcendente do poder soberano na medievalidade: as ideias de civitas e regnum em S. Agostinho e S. Tomás
Metodologias de Ensino e Critérios de Avaliação CFAEA = média ponderada 2 frequências escritas obrigatórias [a não realização de uma ou de ambas implica ida a Exame]: 40% 4 relatórios escritos individuais sobre investigação acerca dos textos de leitura obrigatória, redigidos quinzenalmente sem consulta em OT: 35% 1 Trabalho de grupo: 20% Atitude aula: / participação evento científico 5% Classificação final mínima de Ensino-Aprendizagem = 6 valores EXAME Classificação Final de Exame = média CFEA (40%) + Classificação de Exame (60%) Melhoria de Nota (após Frequência com Aprovação) = prevalece a nota mais elevada NB Não serão admitidos a Exame, e por isso Reprovados, os alunos com uma taxa de absentismo superior a 20% (equivalente a 3 faltas ou mais num total de 14 aulas previstas) aferível pelo registo de presencialidade [exceptuando os Estudantes-Trabalhadores, os quais têm direito a até 50% de faltas (equivalente até 7 faltas), incluindo os dois momentos de avaliação frequencial a realizar nas mesmas datas que os restantes alunos
Bibliografia principal Fontes de leitura obrigatória
ARISTÓTELES, Política, Lisboa: Vega, 1998 [COTA: CA-1.0-ARI]
PLATÃO, República, Lisboa: FCG, 2001 (9ªed.) [COTA: CA-1.0-PLA]
S. AGOSTINHO, A cidade de Deus, vols. I e II, Lisboa: FCG, 2000 [COTA: CA-1.0-AGO]
S. TOMÁS [Thomas Aquinas], Political Writings, Cambridge: CUP, 2002 [pdf a disponibilizar]

Manuais de consulta complementar
MALTEZ José A., Princípios de Ciência Política. Introdução à Teoria Política, Lisboa: ISCSP, 1996
AA.VV., História crítica da filosofia moral e política, Lisboa: Verbo, 2005
Língua Português
Data da última atualização: 2016-03-25
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.