Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Cursos
  3. Design Multimédia
  4. Teoria da Imagem

Teoria da Imagem

Código 12789
Ano 2
Semestre S2
Créditos ECTS 4
Carga Horária OT(15H)/TP(45H)
Área Científica Arte e Design
Tipo de ensino Teórico-prático.
Estágios Não tem.
Objectivos de Aprendizagem 1) Ser capaz de justificar a complexidade e a historicidade a noção de imago e de estabelecer uma relação genealógica entre imagem e morte; 2) Ser capaz analisar uma imagem: identificar e explicar os seus elementos; 3) Definir noções fundamentais no âmbito da Teoria da Imagem: eikôn, imago, eidôlon, mimese, ius imaginum, iconoclasmo, inconodulia, idolatria, ...; 4) Ser capaz de emitir juízos críticos e fundamentados sobre a processos histórico-culturais complexos (v.g., R. Debray, H. Belting, J. Baudrillard...); 5) Ser capaz de explicar, em geral, o valor relativo que a imagem assume nas religiões pagãs, judaica, cristã e islâmica; 6) Ser capaz de identificar, comentar, explicar e criticar, a partir de textos, modelos teóricos de apreciação a imagens: por exemplo, o modelo mimético de degradação ontológica; 7) Reconhecer e explicar o tipo de «ontologia da imagem» presente em textos, obras, movimentos e autores contemporâneos.
Conteúdos programáticos INTRODUÇÃO. Apresentação: docente, alunos, programa, materiais de trabalho, metodologia e avaliação. Em torno da designação Teoria da Imagem.

1. IMAGEM, MORTE E DUPLO. Do mítico e ancestral desejo de figurar. O poder ‘imortalizador’ das imagens.

2. O PARADIGMA DA DEGRADAÇÃO MIMÉTICA (PLATÃO). A mimêsis imaginal como degradação ontolófica da Ideia (eîdos/idéa). A Alegoria da Caverna e o mito dos «três leitos».

3. DA PROIBIÇÃO DAS IMAGENS AO «ANIMAL SYMBÓLICO». O desejo «idólatra» de ver e tocar frente à proibição religiosa: «não farás imagens!» A relação problemática entre Imagens, Poder e Humor. Hermenêuticas redutoras e nova «ontologia da imagem».

4. DA ‘OBRA FECHADA’ - R. Barthes: a fotografia ‘isto-foi’ - À ‘OBRA EM ABERTO’: U. Eco e H.-G. Gadamer.

CONCLUSÃO. Hiperrealidade e do deep-fake.
Bibliografia principal BELTING Hans, A Verdadeira Imagem. Entre a fé e a suspeita das imagens: cenários históricos, (trad. port. A. Morão), Porto, Edição Dafne Editora, 2011
BELTING Hans, Antropologia da Imagem. Para uma ciência da imagem, KKYM+EAUM, Lisboa, 2014
CASSIRER Ernst, Ensaio sobre o Homem, Lisboa, Guimarães Editores, 1995.
DEBRAY Régis, Vie et mort de l’image, Éditions Gallimard, Paris, 1992 (cap. I: «Nascimento [da imagem] pela morte»]
DURAND Gilbert, A Imaginação Simbólica, Lisboa, Edições 70, 1995
FRANCASTEL Pierre, A imagem, a visão e a imaginação: objecto fílmico e objecto plástico, Lisboa, Edições 70, 1998
GADAMER Hans-Georg, Verdad y metodo I. (trad. esp. de A. Aparicio y R. Agapito), Salamanca, Sígueme, 1993, [«O valor ontológico das imagens», pp. 182-222]
GARCIA FERNANDEZ E., et alii, Historia general de la imagen. Perspectivas de la comunicación audiovisual, Univ. Europea, CEES Ediciones, Madrid, 2000
LAMB Trevor D., «A fascinante evolução do olho», in: Sciam nº 10, 2012, pp. 28-33
MARTINE Joly, A imagem e a sua interpretação, Edições 70, Lisboa, 2002
PLATÃO, A República, Lisboa, FCG, 1987 (Livros VII e X)
VILLAFAÑE Justo, Introducción a la teoría de la imagen, Madrid, Pirámide, 1992
WITTGENSTEIN Ludwig, Investigações Filosóficas (excerto; trad. port. e pref. M.S. Lourenço), Lisboa, FCG, 1987
Língua Português
Data da última atualização: 2020-04-03
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.