Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Cursos
  3. Psicologia
  4. Psicologia Forense e da Justiça

Psicologia Forense e da Justiça

Código 14877
Ano 3
Semestre S1
Créditos ECTS 6
Carga Horária T(30H)/TP(30H)
Área Científica Psicologia
Tipo de ensino Presencial.
Estágios Não se aplica.
Objectivos de Aprendizagem Nesta UC pretende-se construir um quadro compreensivo e integrador do fenómeno do crime, da delinquência e da vitimação. No final da UC o estudante deve ser capaz de:
.Conhecer o objecto de estudo da Psicologia Forense e da Justiça;
.Diferenciar as várias abordagens de explicação do comportamento delinquente;
.Compreender a especificidade da avaliação psicológica forense;
.Conhecer as diferentes tipologias e características do consumo de drogas e toxicodependência;
.Refletir sobre os diferentes modelos de compreensão das principais formas de vitimação;
.Caracterizar o papel e os principais contextos de atuação do psicólogo forense e da justiça;
.Conhecer os princípios éticos inerentes à avaliação e intervenção com delinquentes, criminosos e vítimas;
.Contribuir para o trabalho colaborativo em equipa;
.Comunicar e fundamentar, de forma oral e escrita, o processo e resultados da atividade;
.Utilizar estratégias auto-regulatórias da aprendizagem (ex. auto avaliação).
Conteúdos programáticos 1. Introdução à Psicologia Forense e da Justiça
1.1 Definição do objecto de estudo
1.2 Questões éticas e deontológicas
2. Modelos explicativos da delinquência
2.1. Definição de Delinquência
2.2. Abordagens compreensivas
2.3. Dispositivos preventivos e de combate
3. A avaliação psicológica forense
3.1 Definição e características
4. Drogas e comportamento de toxicodependência
4.1 Definição de Droga
4.2 Tipologia das Drogas
4.3 Áreas de atuação
5. Vitimologia
5.1 Definição e evolução histórica
5.2 Caraterização das principais formas de vitimação.
Metodologias de Ensino e Critérios de Avaliação As atividades de ensino/aprendizagem e as metodologias pedagógicas desenvolvem-se em sessões teóricas (com exposição e discussão de conteúdos) e teórico-práticas (com resolução e apresentação de exercícios teórico-práticos de exploração dos conhecimentos, mitos e expectativas relativas ao tema em estudo; monitorização das atividades em curso e feedback sobre o trabalho realizado); estudo independente (com revisão da literatura e aprofundamento de conhecimentos) e trabalho de grupo (com supervisão e feedback). A avaliação decorre de forma contínua e inclui dois teste de avaliação de conhecimentos (análise de casos práticos, artigos, textos com aplicação de conhecimentos teóricos e práticos) que desenvolve a estratégia organização e transformação da informação -80% -, e um trabalho de grupo (20% - em grupo de dois elementos analisam excerto de filme integrando conteúdos abordados em sala de aula) que promovem competências de comunicação e relacionamento interpessoal.
Bibliografia principal . Bartol, C. R. & Bartol, A. M. (2011). Introduction to Forensic Psychology: Research and Application. USA: SAGE Publications.
. Gonçalves, R. A. (2000). Delinquência, crime e adaptação à prisão (2.ª ed. revista e aumentada). Coimbra: Quarteto.
. Huss, M. T. (2011). Psicologia Forense. Pesquisa, Prática Clínica e Aplicações. Porto Alegre: Artmed
. Machado, C. (Coord.). (2010). Vitimologia: das novas abordagens teóricas às novas práticas de intervenção. Braga: Psiquilíbrios edições.
. Matos, M., Gonçalves, R. & Machado, C. (Coords.). (2011). Manual de Psicologia Forense: Contextos, práticas e desafio. Braga: Psiquilíbrios edições.
Língua Português
Data da última atualização: 2021-02-05
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.