Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Notícias
  3. UBI e Comarca de Castelo Branco promovem evento dedicado à justiça na Covilhã

UBI e Comarca de Castelo Branco promovem evento dedicado à justiça na Covilhã

  22 de novembro de 2018  

  •   UBI

Img:

Três exposições e duas conferências fazem parte do evento de sexta-feira, dia 23 de novembro, no Salão Nobre do Palácio da Justiça da Covilhã.

A Universidade da Beira Interior (UBI) e o Tribunal Judicial da Comarca de Castelo Branco desenvolveram em parceria três exposições e duas conferências que têm como tema comum a justiça, cruzada com a cidade da Covilhã e a indústria dos lanifícios, a arte do cartoon, a Declaração Universal dos Direitos do Homem e a importância dos arquivos para a cidadania.

Estas propostas fazem parte do evento que acontece na próxima sexta-feira, dia 23 de novembro, no Salão Nobre do Palácio da Justiça da Covilhã, a partir das 15h00.

“Comemoração dos 70 anos da Declaração dos Direitos Humanos e dos 40 anos da Adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos Humanos" e “Contribuição dos Arquivos para o reforço da cidadania” são os títulos das conferências que vão ser proferidas, respetivamente, por Fernando Jorge dos Santos Costa e Elisa Pinheiro.

Fernando Santos Costa é escritor de ficção, contista, diretor de publicações periódicas, colaborador de semanários nacionais e regionais, bem como em revistas, comentador e autor de programas de rádio, além de investigador de História e Etnografia, com obras publicadas neste âmbito.

Quanto a Elisa Pinheiro, Licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, tem uma carreira marcada pelo serviço desenvolvido na UBI, onde foi docente nos departamentos de Engenharia Civil, Sociologia e Letras, sendo ainda reconhecida pelo trabalho desempenhado na institucionalização e direção do Museu de Lanifícios da UBI.

A juntar às duas palestras, o Palácio da Justiça da Covilhã vai expor “O Traço da Justiça”, exposição que junta 40 desenhos satíricos de cartoonistas oriundos de 15 países e que dão uma visão crítica da realidade da imprensa contemporânea. A seleção foi coordenada por Osvaldo Macedo de Sousa, nome incontornável do humor gráfico em Portugal.

“O Arquivo do Tribunal da Covilhã”, por seu turno, apresenta um acervo resultante de uma cuidada seleção de documentos que integraram processos judiciais que correram no Tribunal da Covilhã nos séculos XIX e XX.

“A Justiça dos Lanifícios no Séc. XIX” é a outra exposição que dará a conhecer uma parte importante da história da cidade, desta vez sobre uma área fundamental para compreender a dimensão social e económica de toda a região.

“Os processos judiciais constituem uma fonte fundamental e inesgotável para o conhecimento, deles se extraindo a vida privada e o quotidiano das gentes, que de alguma forma se enredaram em conflitos dirimidos pelos tribunais”, descreve o texto de apresentação da exposição, lembrando que “em cada página, aparece a fotografia das famílias mais influentes, o poder da Igreja, o que se fazia, quais as profissões preponderantes, as grandes obras, a influência política, todo um mundo associado à atividade dos lanifícios”.

As três exposições ficam patentes até final de 2018.

Partilhar

Data da última atualização: 2018-11-22
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.