Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Notícias
  3. UBI em consórcio para desenvolver primeiros cosméticos a partir de água termal

UBI em consórcio para desenvolver primeiros cosméticos a partir de água termal

  12 de março de 2021  

Img:

A UBI é parceira científica de um projeto que está a criar uma linha de cosméticos para a dermatite atópica, tendo por base a água termal de São Pedro do Sul.

A Universidade da Beira Interior (UBI) integra um consórcio criado para desenvolver produtos cosméticos a partir das águas termais de São Pedro do Sul. A parceria envolve a Termalistur, que gere a estância do distrito de Viseu, e uma empresa privada. Destina-se a criar uma gama de produtos para a dermatite atópica, afirmando-se como a primeira, em Portugal, a incluir a água termal como um dos componentes.

Designado AqvATOPIC, o projeto conta o contributo científico da UBI nas áreas da investigação em saúde e do marketing. “As nossas tarefas incluem o desenvolvimento da formulação do produto e a caracterização da aceitabilidade junto dos potenciais utilizadores, nesta vertente com o contributo do docente da Paulo Duarte, do Departamento de Gestão e Economia da UBI”, explica Rita Palmeira de Oliveira, a investigadora principal do AqvATOPIC.

Os primeiros protótipos de um conjunto que incluirá um ‘stick’ para limpeza, um hidratante emoliente e uma água termal suplementada deverão estar concluídos até final deste ano, combinando os naturais princípios de segurança e eficácia na abordagem cosmética da dermatite atópica, com as prioridades atuais do mercado.

“Pretendemos criar uma formulação com características inovadoras e que vá ao encontro de preocupações como a sustentabilidade, uma vez que o consumidor está cada vez mais atento a estas questões tanto nos ingredientes como nas embalagens, por exemplo. É algo que estamos a incluir neste projeto”, salienta Rita Palmeira de Oliveira, que também integra o Centro de Investigação em Ciências da Saúde da UBI.

Todo o trabalho combina ciência aplicada com o tecido empresarial, uma “interligação fundamental”, salienta a investigadora: “Aquilo que a indústria procura, a ciência pode oferecer. A inovação que nasce na academia e a experiência de quem produz é uma receita para o sucesso”.

O AqvATOPIC foi alvo de uma candidatura ao Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico, representando um investimento superior a 426 mil euros e um incentivo não reembolsável acima de 262 mil euros. O prazo de execução do projeto é de 30 meses. Além de Rita Palmeira de Oliveira e Paulo Duarte, a equipa da UBI incluíra ainda dois bolseiros de investigação.

Partilhar

Data da última atualização: 2021-03-12
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.