Menu Conteúdo Rodapé
  1. Início
  2. Notícias
  3. UBI avalia condições de vida em quatro concelhos da Cova da Beira

UBI avalia condições de vida em quatro concelhos da Cova da Beira

  19 de julho de 2022  

Img:

O estudo pretende identificar o parque habitacional disponível e infraestruturas que contribuem para a qualidade de vida nos municípios de Belmonte, Covilhã, Fundão e Manteigas. Este trabalho será feito em colaboração com os municípios.

A Universidade da Beira Interior (UBI) vai iniciar o estudo do parque habitacional e das infraestruturas de apoio à população, em três municípios dos distritos de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão) e da Guarda (Manteigas). O “Levantamento das Infraestruturas-Base da BEIRAVALLEY”, que deverá ter resultados nos próximos meses, faz parte do Memorando de Entendimento assinado entre a UBI e as quatro autarquias. As conclusões irão contribuir para apoiar esses municípios nas ações e estratégias de resposta à necessidade de atração de empresas de base tecnológica, em especial, a já decidida instalação, em Belmonte, da WIT Software.

O estudo será coordenado pela docente do Departamento de Engenharia Civil e Arquitetura (Faculdade de Engenharia), Ana Virtudes. “O objetivo é fazer o levantamento da habitação, porque os profissionais da WIT terão de fixar-se pelos quatro municípios. Vamos identificar onde estão as habitações, a sua tipologia, os padrões de qualidade, o conforto e a habitabilidade”, explica a coordenadora que trabalhará em conjunto com elementos das Câmaras Municipais envolvidas.

Além destas características, há outras estruturas e serviços a ter em conta. “As pessoas, para se fixarem numa região, querem também uma oferta científica, cultural, educacional, de mobilidade e acessibilidades”, acrescenta Ana Virtudes. Todos estes aspetos podem existir noutras zonas do País, mas, de acordo com a docente da UBI, a Cova da Beira apresenta vantagens que merecem ser indicadas naquilo que pode ser um portefólio da região: “Temos algo ótimo, que é a qualidade de vida, a paisagem e o contacto com a natureza, por via da proximidade com a Serra da Estrela”.

Estes são alguns dos argumentos que podem trazer investimento para a região e que, de acordo com as intervenções dos participantes na assinatura do Memorando, devem ser aproveitadas para atrair profissionais e investimento inovador para esta parte do Interior do País.

Durante a cerimónia, que teve lugar no dia 15 de julho, Mário Raposo, Reitor da UBI, e os presidentes das câmaras do Fundão (Paulo Fernandes) e Covilhã (Vítor Pereira), e os vice-presidentes das autarquias de Belmonte (Paulo Borralhinho) e Manteigas (Sérgio Marcelo), convergiram na ideia da importância do trabalho em rede para atrair investimento nas áreas tecnológicas e beneficiar de uma instituição científica como a UBI, para alcançar mais inovação e, por consequência, maior desenvolvimento.

O Reitor da UBI manifestou total disponibilidade para a cooperação de uma universidade que é para o mundo, mas que nunca esquece a sua forte matriz regional. “Temos este ADN connosco desde o início, que é a forte ligação à nossa região e ao seu desenvolvimento. É para isto que trabalhamos com os atores regionais, para alavancar o desenvolvimento desta zona”, salienta Mário Raposo. “Temos capacidade de desenvolvermos competências e formação”, referiu, lembrando que há projetos que “dinamizaram bastante a investigação” em áreas que permitem às empresas desenvolverem-se e melhorarem as suas capacidades competitivas, através da inovação”, como foi o caso do C4 - Cloud Computing.

Presente na assinatura do Memorando de Entendimento, o vice-presidente da Comissão de Coordenação Desenvolvimento Regional do Centro, Anselmo Castro, recebeu o elogio do Reitor e autarcas, por ter sido o catalisador do trabalho que vai ser feito. Interveio para lembrar o que cada um dos municípios tem feito para se desenvolver e reconheceu a importância do “Levantamento”, que é “mais do que um estudo”, e “esse mais”, depende da “cooperação e cumplicidade das câmaras”. “A primeira coisa é identificar as casas que estão disponíveis, mas, depois, é preciso pensar que políticas é que os municípios querem desenvolver e, preferencialmente, fazerem-no em conjunto para terem mais força”, concluiu.

Partilhar

Data da última atualização: 2022-07-19
As cookies utilizadas neste sítio web não recolhem informação pessoal que permitam a sua identificação. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.